Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Cecil Thiré
21Número de Fãs

Nascimento: 28 de Maio de 1943 (77 years)

Falecimento: 9 de Outubro de 2020

Rio de Janeiro, Brasil - Brasil

Cecil Aldary Thiré, foi um ator e diretor brasileiro. Atuou em cinema, teatro e televisão e foi professor de interpretação. É pai dos atores Miguel Thiré, Carlos Thiré e Luísa Thiré.

Filho único da atriz Tônia Carrero e do diretor de cinema e artista plástico Carlos Arthur Thiré, recebeu este nome em homenagem ao diretor e produtor norte-americano Cecil B. DeMille. Era neto do professor Cecil Thiré, companheiro de Malba Tahan na escrita de livros de Matemática, ambos professores do Colégio Pedro II.

Aos 17 anos estudou interpretação com Adolfo Celi e trabalhou intensamente em teatro na década de 1960. Mas, carregando o peso de ser apenas o filho de Tônia, precisou fazer oito anos de análise para superar este estigma e conviver bem com a profissão. A partir de então, trabalhou diversas vezes ao lado da mãe.

Aos 19 anos, dirigiu seu primeiro filme, o curta metragem Os Mendigos. Em 1967, assinou a direção do longa metragem O diabo mora no sangue e, depois, de O Ibrahim do subúrbio. Como ator, esteve no elenco de mais de vinte filmes, tendo começado aos nove anos, numa pequena aparição em Tico-tico no fubá, estrelado por Tônia.

Inicia-se na direção teatral em 1971, em Casa de Bonecas, de Henrik Ibsen. Em 1975, dirige A noite dos campeões, de Jason Miller, e ganha o Prêmio Moliére. Segue ininterruptamente com trabalhos no teatro como ator e diretor, às vezes como ambos, até 1984. Neste ano, afasta-se dos palcos, para se dedicar ao ensino de teatro, retornando dez anos depois, em três montagens consecutivas. São mais de quarenta peças como ator e outro tanto como diretor.

Na televisão, atuou em vinte novelas e minisséries e esteve por oito anos em programas humorísticos da Rede Globo. O ponto alto de sua carreira televisiva aconteceu na novela Roda de Fogo, onde interpretou o vilão gay Mário Liberato, que caiu no gosto do público global. Também destacou-se em outras tramas, como O Espigão, Escalada, Sol de Verão, Champagne, Top Model e A Próxima Vítima (aonde viveu Adalberto Vasconcelos, o assassino da versão original da trama).

Em 2006, saiu da Globo, onde participava do humorístico Zorra Total, e assinou contrato com a TV Record para participar da novela Cidadão Brasileiro, de Lauro César Muniz. Participou da novela Vidas Opostas, de Marcílio Moraes.

Foi responsável pela implantação, em 1986, da Casa da Interpretação, na Casa das Artes no bairro carioca de Laranjeiras, e foi fundador da Oficina de Atores da Rede Globo. Ministra regularmente cursos de interpretação nessas e em outras instituições, tendo colaborado na formação de atores em várias cidades do país.

Cecil Thiré morreu, em sua casa no Humaitá, bairro da cidade do Rio de Janeiro, em 9 de outubro de 2020, por complicações do mal de parkinson, doença da qual já sofria há alguns anos.

Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.