Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Gilberto Gil
117Número de Fãs

Nascimento: 26 de Junho de 1942 (76 years)

Salvador, Bahia - Brasil

Gilberto Passos Gil Moreira, mundialmente conhecido como Gilberto Gil é um músico brasileiro, conhecido por sua inovação musical e por ter ganho os prêmios Grammys Internacional, Grammy Latino, Prêmio da Música Brasileira, entre outros...
Gil foi embaixador da ONU para agricultura e alimentação e Ministro da Cultura do Brasil (2003–2008). Em mais de cinquenta álbuns lançados, ele incorpora a gama eclética de suas influências, incluindo rock, gêneros tipicamente brasileiros, música africana e reggae, por exemplo.

Em 1963, Gil gravou e lançou o EP Gilberto Gil: Sua Música, Sua Interpretação, que continha quatro faixas composta pelo próprio. Desse, fora extraído o single "Decisão", samba conhecido e rebatizado depois de "Amor de Carnaval''. No final do mesmo ano, Gil conheceu Caetano Veloso que havia conhecido Gil pela TV e o tinha como um ídolo - apresentado pelo produtor musical Roberto Sant'Ana, e logo depois conheceu as cantoras Gal Costa e Maria Bethânia. Em junho de 1964, os quatro, Tom Zé e outros, realizaram o espetáculo "Nós, Por Exemplo...", inaugurando o Teatro Vila Velha, de Salvador, sob a direção geral de João Augusto e musicada e assinada por Gil e Santana, com repertório composto de canções próprias e de bossas de compositores como Dorival Caymmi.

Em 1968, Gil, influenciado pelos Beatles, resolveu incluir o rock e a música brasileira em "Domingo no Parque", interpretado ao lado da banda Os Mutantes. A canção ficou classificada em segundo lugar, além de ser premiado devido ao "moderno arranjo", feito por Rogério Duprat. Ao lado de "Alegria, Alegria", de Caetano Veloso, a primeira tornou-se um divisor de águas na música brasileira, pois, a partir de então até o fim de 1968, foi instalado no cenário brasileiro um movimento revolucionário, influenciado por Oswald de Andrade e o movimento antropofágico, batizado como Tropicália - nome de uma exposição de arte criada pelo carioca Hélio Oiticica, durante a mostra Nova Objetividade Brasileira, realizada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, que levou o nome. Porém, foi Nelson Motta, com o artigo chamado "A Cruzada Tropicalista", publicado no jornal Última Hora, em 5 de fevereiro de 1968, que batizou o movimento. Nessa época causa alvoroço com a censura com o programa que apresenta junto com Gal Costa e Caetano Veloso - ''Divino, Maravilhoso'' (”Divino Maravilhoso” tornou-se o nome de um programa semanal de televisão da extinta Tupi, dirigido por Fernando Faro e Antonio Abujamra e o grande novelista Cassiano Gabus Mendes, diretor da estação, trabalhando no corte de imagens. Apresentado por Caetano Veloso, Gal Costa e Gilberto Gil, o programa foi ao ar de outubro a dezembro de 1968. Um programa totalmente anárquico, com cenas antológicas de Caetano Veloso preso em uma jaula comendo bananas ou plantando bananeira; além de um dos episódios, em meio a um improviso em que todos entram, Caetano grita a palavra de ordem, “Acabar com o velho!” e dá um viva a Rogério Duprat, que está sentado na platéia e ainda conta com uma Gal Costa sensual e meio rock n'roll. “Divino Maravilhoso” apresentou nomes de cantores então debutantes no cenário brasileiro, como Jorge Ben, Jards Macalé e ainda contou com participações de Nara Leão e dos grupos Os Mutantes, Beat Boys e Os Bichos, entre outros.

No dia 13 de dezembro, o governo militar decretou o Ato Institucional 5 (AI-5), que dava direito a dissolver o congresso, prender sem hábeas corpus, cassar mandatos e impor a censura, entre outras tragédias. Com o AI-5 a ditadura endureceu ainda mais. Na antevéspera do natal “Divino Maravilhoso” foi ao ar pela última vez, mostrando um provocante Caetano Veloso a cantar “Noite Feliz” com uma arma apontada na cabeça. A apresentação irritou aos militares e à família conservadora que sustentava o regime militar, após tirar o programa do ar, a polícia repressiva do governo prendeu, no dia 27 de dezembro, Caetano Veloso e Gilberto Gil. Os cantores só seriam libertados na quarta-feira de cinzas de 1969, quando são escoltados pela polícia até Salvador, de onde partem para o exílio em Londres. Termina o programa e o próprio tropicalismo.
Para não comprometer os apresentadores, as fitas do programa são totalmente destruídas por seus diretores, ficando apenas registrado na memória de quem o assistiu na época, e muitas fotos. “Divino Maravilhoso” era uma resposta aos bem comportados programas da TV Excelsior: “O Fino da Bossa”, comandado por Elis Regina e Jair Rodrigues, que foi ao ar de 1965 a 1967, e “Jovem Guarda”, comandado por Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa, de 1965 a 1969. Com “Divino Maravilhoso” o Brasil assistiu à ascensão e à queda do mais forte movimento musical desde a Bossa Nova o ''Tropicalismo'').

No final do mês, Gil, Gal e Caetano e outros músicos brasileiros participaram do Festival da Ilha de Wight, que reuniu cerca de 600.000 pessoas. O jornal The Guardian, um dos principais da Inglaterra, escreveu que "os três brasileiros anônimos", eram a atração principal do segundo dia do evento, que durou cinco, e teve a participação de grandes artistas como The Who, The Doors, Joni Mitchell e Leonard Cohen, bem como a última apresentação de Jimi Hendrix.

Em 24 de junho de 1976, Caetano Veloso, Gal Costa, Gilberto Gil e Maria Bethânia, realizaram um espetáculo conhecido como "Doces Bárbaros". Logo após isso, o quarteto voltou a se apresentar, agora, no Canecão, onde permaneceram em cartaz por dois meses, batendo recorde de bilheteria na época. Essa turnê virou um documentário, Os Doces Bárbaros, de Jom Tob Azulay, e um álbum, Doces Bárbaros: Ao Vivo, lançado pela PolyGram. Hoje, o álbum é considerado uma "obra prima", porém, na época de seu lançamento (1976), foi duramente criticado por ser muito festivo.

Em janeiro e fevereiro de 1977, Gil foi a Lagos, na Nigéria, para participar, ao lado de Caetano, do II Festival Mundial de Arte e Cultura Negra. A partir de então, passou a trabalhar a temática afro em suas canções.

Nélson Pereira dos Santos, produziu em 1987 um filme intitulado Jubiabá, baseado na obra homônima de Jorge Amado, e convidou Gil para fazer a trilha sonora, em 1986.

Durante o VII Prêmio Sharp de Música, realizado em 4 de maio de 1994, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Gil recebeu de Dorival Caymmi uma homenagem por sua importância para a música nacional.

Em 25 de fevereiro de 1999, o álbum ao vivo Quantar, foi eleito o álbum do ano na categoria "World Music" do Grammy Internacional. Gil receberia a estatueta do Grammy, em uma apresentação realizada no Rio e em São Paulo, em maio do mesmo ano.

Vida pessoal:
Em 2009, o cantor obteve a cidadania italiana, por ser casado com Flora Giordano, neta de italianos.
O cantor é pai de oito filhos: Do casamento com Belina de Aguiar Gil Moreira teve: Nara de Aguiar Gil Moreira (1966) e Marília de Aguiar Gil Moreira (3 de fevereiro de 1967). Do casamento com Sandra Barreira Gadelha Gil Moreira: Pedro Gadelha Gil Moreira (17 de maio de 1970 - 25 de Janeiro de 1990). Preta Maria Gadelha Gil Moreira (8 de agosto de 1974) . Maria Gadelha Gil Moreira (13 de Janeiro de 1976). Com Flora Nair Giordano Gil Moreira: Bem Giordano Gil Moreira (13 de Janeiro de 1985). Isabela Giordano Gil Moreira (3 de Janeiro de 1988). José Gil Giordano Gil Moreira (27 de Agosto de 1991).

Este site usa cookies para oferecer a melhor experiência possível. Ao navegar em nosso site, você concorda com o uso de cookies.

Se você precisar de mais informações e / ou não quiser que os cookies sejam colocados ao usar o site, visite a página da Política de Privacidade.