Você está em
  1. > Home
  2. > Artistas
  3. > Osmar Prado

Osmar Prado

Nomes Alternativos: Osmar do Amaral Barbosa

168Número de Fãs

Nascimento: 18 de Agosto de 1947 (69 years)

São Paulo - Brasil

Iniciou sua carreira de ator aos 10 anos de idade, integrando o elenco infantil da telenovela David Copperfield, exibida pela extinta TV Paulista. Interpretou diversos papéis na emissora, onde permaneceu por oito anos. Nessa época, além da televisão, realizou também trabalhos no teatro com o ator Sérgio Cardoso.
Em 1965, teve uma passagem pela recém inaugurada TV Globo, onde participou da novela Ilusões Perdidas. Em 1968, assinou contrato com a TV Excelsior para atuar na novela Os Estranhos. Na mesma emissora, ainda integrou o elenco de outras duas novelas, A Muralha e Dez Vidas.
Assinou seu primeiro contrato com a TV Globo, em 1969, para trabalhar na novela Verão Vermelho. Devido ao seu bom desempenho, foi escalado para atuar em Assim na Terra como no Céu, de 1970. Em 1971, participou de O Cafona, na qual interpretou Cacá, um jovem cineasta que, junto com os amigos Rogério e Julinho, desejava fazer o filme mais radical do cinema brasileiro. Os personagens faziam uma referência bem-humorada aos diretores Cacá Diegues, Rogério Sganzerla e Júlio Bressane. Ainda nesse ano, participou da novela Bandeira 2, quando viveu o jogador de futebol Mingo.
Em seguida, protagonizou sua primeira novela, Bicho do Mato, em que viveu o caipira Juba. A partir de 1973, passou a integrar o elenco fixo do seriado A Grande Família, onde despontou como o estudante politizado Júnior, terceiro filho do casal Lineu e Nenê – na época, interpretados por Jorge Dória e Eloísa Mafalda - que não foi reproduzido na versão atual do seriado.
Em 1975, com a morte do autor da série, voltou a fazer novelas, atuando em duas produções. Primeiro em Senhora, em que interpretou o advogado Torquato Ribeiro; e depois em Helena, cuja trama foi protagonizada por ele, juntamente com a atriz Lúcia Alves. Depois, em 1976, esteve presente na primeira versão da novela Anjo Mau, cuja babá Nice fora vivida pela atriz Suzana Vieira. Coube a Osmar encarnar Getúlio, marido da personagem Stela, vivida por Pepita Rodrigues, patrões da babá Nice. Posteriormente, como Eupídio Morungaba, participou da novela Nina.
Em 1978, interpretou o Edu da novela Te Contei?, que vivia um triângulo amoroso com as personagens Shana, de Maria Cláudia, e Sabrina, de Wanda Stephânia. Em seguida, em Pai Herói, viveu o marginal Pepo. Em 1980, na novela Chega Mais, interpretou o cantor Amaro da Bahia, que formava par romântico com a personagem de Renata Sorrah. Depois, no papel de Alfredo, integrou o elenco de O Amor É Nosso.
Após quase 15 anos de contrato com a TV Globo, deixou temporariamente a emissora em 1982, para se dedicar mais ao teatro. Nos palcos, atuou nas montagens de Barrela e Gente Fina É a Mesma Coisa. Também nesse ano, teve uma passagem pela TV Cultura de São Paulo, onde protagonizou a minissérie Seu Quequé.
Em 1983, foi convidado a integrar o elenco do seriado Mário Fofoca, no papel do corretor Donato Freitas, cujo escritório era vizinho ao do detetive Mário Fofoca, e servia de contraponto às situações vividas pelo protagonista. Ainda nesse ano, viveu o Joãozito em Voltei pra Você e fez uma participação especial em Champagne.
Em 1984, participou de sua primeira minissérie na Globo, Meu Destino É Pecar. Depois, transferiu-se para a extinta Rede Manchete, onde atuou nas minisséries Viver a Vida e Tudo em Cima. Antes disso, ainda em 1984, fez a sua estréia no cinema, atuando no filme Aguenta, Coração.
Em 1986, de volta à TV Globo, participou de sua primeira novela das oito, Roda de Fogo, e interpretou um de seus personagens mais carismáticos na televisão, o Tabaco. No ano seguinte, trabalhou em Mandala, sendo que para viver a personagem se viu obrigado a raspar a cabeça, pois o papel seria de um monge budista. Em 1988, interpretou um dos personagens principais de Vida Nova, o italiano Pietro. Também nesse ano, voltou a trabalhar numa minissérie, O Pagador de Promessas, vivendo o padre Elói.
Em 1990, participou de Riacho Doce, como o pescador Neco. Em 1992, atuou na novela Pedra sobre Pedra, na qual viveu mais um personagem de grande repercussão junto ao público, o Sérgio Cabeleira, que assustava os habitantes da cidade de Resplendor em noites de lua cheia.
Em 1993, interpretou aquele que talvez seja seu maior sucesso na televisão, o Tião Galinha, um personagem exótico que carregava as crendices e fábulas do universo popular na novela Renascer. O papel lhe rendeu o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante da Associação Paulista de Críticos de Arte.
Apesar do sucesso obtido pelo personagem, deixou a TV Globo ainda durante as gravações de Renascer. Transferiu-se para o SBT, que reorganizava seu núcleo de dramaturgia com a novela Éramos Seis. Ainda no SBT, integrou o elenco do remake de Sangue do Meu Sangue.
Voltou a trabalhar na TV Globo em 1998, convidado para interpretar o prefeito Barnabé de Barros, na novela Meu Bem Querer. Dois anos depois, participou da novela Esplendor, no papel de Rodolfo Bernardes.
Em 2001, esteve presente no elenco da premiada minissérie Os Maias, no papel de Tomás de Alencar. Ainda em 2001, na novela O Clone, interpretou Lobato, um advogado de classe média, ex-dependente químico, que luta para se manter longe do álcool e da cocaína. Em seguida, atuou em Chocolate com Pimenta, na pele do caipira Margarido. Posteriormente, no ano de 2004, filmou o longa Olga, na pele do presidente Getúlio Vargas.
Depois, em 2005, integrou o elenco das duas jornadas da premiada minissérie Hoje É Dia de Maria. Em 2006, participou da minissérie JK e do remake da novela Sinhá Moça, no papel do dominador Barão de Araruna. No ano seguinte, atuou minissérie Amazônia, de Galvez a Chico Mendes e na novela Eterna Magia. Em 2008, participou do remake de Ciranda de Pedra, como o empresário Cícero Cassini, homem rico, descendente de italianos, sócio do grande vilão da história, Natércio.
Em 2009, integrou o elenco da novela Caminho das Índias, no papel do chefe de família Manu, da casta dos comerciantes. Casado com Kochi, Manu é o pai da protagonista Maya e do jovem Komal.
É primo de primeiro grau de Dalcio Prado e de terceiro grau de Arthur Prado Pires. Participa do Movimento Humanos Direitos.